Violência Infantil – Entrevista Com A Psicóloga Renata Alves

Violência Infantil – Entrevista com a Psicóloga Renata Alves

A cada dia, em média, 129 casos de violência psicológica e física contra crianças e adolescentes, incluindo a sexual, e negligência, são reportados ao Disque Denúncia 100. Isso quer dizer que, a cada hora, cinco casos de violência são registrados no Brasil.

Os profissionais do AUSTA hospital estão capacitados para estarem atentos e perceberem nos pacientes sinais de que sejam possíveis vítimas de violência. A psicóloga Renata Alves, do AUSTA hospital, fala sobre esta triste realidade e o trabalho dos profissionais da instituição.

A violência doméstica é um problema mais grave do que a sociedade acha que é, correto?

Psicóloga Renata Alves – Sem dúvida. Mais comum do que as estatísticas apresentam, a violência doméstica e familiar é um fato explícito ou, muitas vezes, velado, encoberto, praticado dentro de casa, entre parentes. A abertura para esse assunto não é muito fácil, pois, muitas vezes, a violência é silenciosa, envolve segredos familiares e aproxima-se dos agressores que, muitas vezes, estão mais próximos do que a família gostaria de encarar.

Então, a violência doméstica extrapola o lar?

Renata – Sim, porque as marcas não são apenas sociais, mas geram um problema de saúde pública e cuidados que, cada vez mais, são percebidos e necessários às vítimas desses tipos de violência.

A violência não distingue sexo ou idade, correto?

Renata – As pesquisas mostram que os meninos são vítimas mais frequentes de violência física. Já as meninas são da violência sexual, numa proporção de quatro meninas para um menino. Em muitos casos, as violências sexual e física ocorrem juntas, sendo um risco para o processo de desenvolvimento saudável da pessoa.

Como perceber se a criança / adolescente sofre violência?

Renata – A vítima de violência geralmente apresenta problemas de comportamento, ajustamento escolar e uma percepção social negativa, ou seja, uma visão distorcida, amedrontada e isola-se das outras pessoas. Se houver mudança repentina de comportamento de uma criança e adolescente, devemos ficar atentos para a possibilidade de ela ser vítima de violência e verificar o ambiente familiar e social em que ela vive.

Quando o profissional do AUSTA hospital constata a possibilidade de um paciente ter sido vítima de violência, como ele procede?

Renata – Ao constatar, o profissional presta o atendimento necessário imediato e aciona uma equipe multidisciplinar que dá toda a assistência necessária ao paciente. A equipe envolve médico, profissionais de enfermagem, psicóloga e assistente social, entre outros. A  área de assistência social do AUSTA então encaminha o paciente para as redes de apoio públicas especializadas no acolhimento e atendimento às vítimas de violência.

Fonte: Ministério dos Direitos Humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.