Varizes deixam veias dilatadas e causam queimação e cansaço nas pernas

As populares varizes, que todo mundo conhece alguém que tem, é uma etapa da Insuficiência Venosa Crônica.

Em todo o mundo, de 20% a 33% das mulheres e de 10% a 20% dos homens vão apresentar algum grau da doença ao longo da vida.

E mais, por ser uma doença crônica e evolutiva, de 3% a 11% das pessoas com varizes podem chegar a estágios mais avançados, com alterações irreversíveis na pele da região afetada.

As veias dilatadas das varizes são facilmente identificadas, bastando olhar para as pernas do paciente.

Quando necessário o médico solicita exames complementares, como o ultrassom com Doppler do sistema venoso dos membros inferiores.

Quem sofre com varizes relata sentir: pernas cansadas e pesadas, queimação, inchaço, geralmente bastante comum na área do tornozelo.

É comum o relato de melhora quando os membros inferiores estão elevados.

A piora vem mais no fim do dia, depois de um longo período em pé ou sentado.

Fatores de Risco das Varizes

Existe uma série de fatores que aumentam o risco, entre eles estão:

  • Genética: em pelo menos 70% dos casos, parentes próximos também sofrem com o problema.
  • Obesidade: o excesso de peso sobrecarrega o sistema venoso, facilitando o aparecimento das varizes.
  • Sedentarismo: movimentar a panturrilha auxilia na circulação, e a falta de exercício dificulta.
  • Anticoncepcionais: o uso de hormônios pode agravar as varizes.
  • Gestação: ela leva a alterações hormonais e do retorno do sangue das pernas.
  • Trombose venosa: a trombose de grandes veias dificulta o retorno de sangue.
  • Compressão venosa: a compressão externa sobre algum ponto do sistema venoso causa sobrecarga nas veias, aumentando a chance de varizes.

É importante destacar que, não existe relação comprovada entre depilação, uso de salto alto, carregar peso e subir escadas, com a formação de varizes.  

Tratamento

O tratamento será definido de acordo com a veia a atingida.

  • Cirurgia convencional: as veias doentes são retiradas através de pequenas incisões na pele.
  • Termoablação ou Tratamento Endovascular Venoso: uma fibra de Endolaseré introduzida na veia doente através de acompanhamento ultrassonográfico e é disparada uma quantidade controlada de energia que oclui a veia em questão.
  • Ablação química ou Escleroterapia: uma substância é injetada dentro do vaso ou veia doente, fazendo ele ocluir e não promover dilatações em outras veias.

Mesmo após o tratamento bem sucedido, devido aos fatores de risco, podem aparecer novas varizes.

Fontes – Sites: Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular – Regional São Paulo; e Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular

Clique aqui e confira outras notícias de prevenção à saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.