Conscientização Do Pré-natal Diminui A Mortalidade Materna

Conscientização do pré-natal diminui a mortalidade materna

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, a redução da mortalidade materna no Brasil, foi de 43%, entre 1990 e 2013.

Isso significa que, nesse período, a taxa de mortalidade caiu de 120 mães por 100 mil nascidos vivos para 69 mães por 100 mil nascidos vivos.

O que faz a mortalidade materna diminuir é o atendimento e acompanhamento adequado.

Por isso é tão importante investir no pré-natal e conscientizar as mulheres sobre a importância de um parto normal.

Durante esse período é possível diagnosticar patologias e iniciar o tratamento.

Por anos, o óbito materno foi considerado como algo natural da condição feminina.

Mas com a evolução da medicina constatou-se que, cerca de 98% desses óbitos poderiam ser evitados.

Morte materna é a que atinge a mulher durante a gestação ou dentro de um período de 42 dias após o término da gestação, devido à causa relacionada ou agravada pela gravidez, ou por medidas tomadas em relação a ela.

Dados do Sistema de Informação Sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostram que o Brasil registrou 1.686 casos de mortalidade materna em 2013.

Dessas mortes 20% foram causadas por hipertensão, 12% por hemorragia, 7,3% por doenças cardiovasculares e 6,3% por infecção puerperal.

Mortalidade Materna

Embora os dados sejam positivos, o Brasil não alcançou a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, que era reduzir em 75% a taxa de mortalidade materna até 2015.

Condições médicas preexistentes, como diabetes, AIDS, malária e obesidade, também tem papel importante na mortalidade materna.

Por outro lado, alguns especialistas se preocupam mesmo com a alta taxa de cesáreas que são realizadas.

Também preocupa o excesso de intervenções desnecessárias, a falta de treinamento de equipes especializadas e a proibição do aborto.

A média de cesáreas recomendada pela Organização Mundial da Saúde é de 15%.

No Brasil, esses números são três vezes maior.

De acordo com o Relatório Nacional de Acompanhamento, mulheres submetidas a cesáreas correm 3,5 vezes mais risco de morrer e têm cinco vezes mais risco de contrair uma infecção puerperal.

O aborto clandestino é a quinta maior causa de mortalidade materna no Brasil.

De 1995 a 2010, ele foi responsável por cerca de 10% dos casos de morte materna.

Os dados são do Sistema de Informações sobre Mortalidade.

Continuar incentivando as consultas pré-natais e humanizando o atendimento obstétrico, é o que fará os índices de mortalidade materna chegarem ao ideal.

Fontes – Portal Brasil (menu – Saúde); Universidade Brasil (menu – Portal); BBC Brasil (menu – Notícias); e Portal Dráuzio Varella

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.