Deseja ser um doador de órgãos? Avise sua família, pois caberá a ela a autorização

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), de cada oito potenciais doadores, apenas um é notificado.

No Brasil, para ser um doador de órgãos é preciso comunicar sua família do seu desejo.

Em casos de morte encefálica (interrupção irreversível das funções cerebrais), caberá à família autorizar a retirada dos órgãos.

Um único doador falecido é capaz de salvar mais de vinte outras vidas.

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos e Tecidos, o número de transplante de órgãos sólidos e tecidos entre janeiro e junho de 2017 (as doações foram feitas por pessoas vivas, e com morte encefálica) é de: órgãos – coração – 172; fígado – 1011; pâncreas – 63; pulmão – 43; e rim – 2.918 = 4.208.

Também foram feitos 1253 transplantes de medula óssea. E 15.429 transplantes de tecidos: córnea – 7821; ossos – 7520; valva – 71; e pele – 17.

Atualmente mais de 60 mil pessoas estão na lista de espera aguardando por um transplante compatível.

É importante ressaltar que o doador de órgãos não terá qualquer custo, todos os gastos são de responsabilidade do Sistema Único de Saúde.

Não existe limite de idade para ser um doador de órgãos.

O que determina o uso de partes do corpo para transplantes é o estado de saúde do doador e a condição do órgão.

Um doador de órgãos vivo pode doar: rim, medula óssea, partes do fígado e pulmão. 

Morte Encefálica

A morte encefálica é causada mais frequentemente por traumatismo craniano, tumor ou derrame.
Quando essas atividades são interrompidas, significa a morte do indivíduo.

O diagnóstico é realizado por meio de exames específicos e avaliação de dois médicos, um deles neurologista.

As avaliações acontecem com um intervalo mínimo de seis horas.

Quando existe a intenção de doar os órgãos, a família pode manifestá-lo.

Também pode acontecer da equipe explicar a situação do paciente aos familiares, e consultá-los sobre a possibilidade da doação dos órgãos.

A retirada dos órgãos e tecidos é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia, e com os cuidados de reconstituição do corpo.

Os órgãos doados vãos para pacientes que necessitam de transplante e estão aguardando em uma lista de espera única.

A compatibilidade entre doador e receptores é determinada por exames laboratoriais.

A posição em lista é determinada com base em critérios como tempo de espera e urgência do procedimento. 

Fontes – Sites: Ministério da Saúde; Doe Órgãos Salve Vidas; Adote – Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos; e Associação Brasileira de Transplante de Órgãos e Tecidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.