CARREGANDO

Digite uma Pesquisa

Dor de cabeça e enxaqueca atingem 90% das pessoas no mundo

“Ai! Que dor de cabeça!” Quem já não falou ou ouviu essa reclamação? Com certeza, todos nós, afinal, ao longo da vida, a dor de cabeça ou cefaleia incomoda mais de 90% da população mundial, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde. É a sexta doença mais incapacitante do mundo.

E quando a dor deixa de ser pontual para se repetir com frequência, geralmente unilateral e pulsátil, é a conhecida enxaqueca, na verdade, uma doença de origem genética.

As cefaleias mais comuns são as secundárias, consequência de processos infecciosos ou inflamatórios, como as viroses.

As enxaquecas e as cefaleias do tipo tensionais são consideradas primárias e, infelizmente, caracterizam-se por serem crônicas diárias ou quase diárias, por longos períodos, gerando grande sofrimento.

Causas da dor de cabeça

As crises de dor de cabeça do tipo enxaqueca podem ter diversas razões, dentre as quais jejum, odores, exposição solar, barulhos, estresse, período pré-menstrual, privação de sono, sono excessivo e certos tipos de alimentos.

Sintomas da dor de cabeça

  • dor de cabeça com duração de 4 a 72 horas, unilateral e pulsátil.
  • náusea e vômitos.
  • sensibilidade à luz e ao som.
  • irritabilidade.
  • tontura e fadiga.
  • sensibilidade ao movimento do corpo ou do ambiente.
  • mudanças de apetite.
  • problemas de concentração (dificuldade para encontrar as palavras).

 

Prevenção à dor de cabeça

Há algumas atitudes que podem ajudar a prevenir as crises, sobretudo, hábitos saudáveis como evitar jejum prolongado, praticar atividade física regularmente, alimentação saudável, usar óculos com lentes fotoprotetoras, adotar técnicas de relaxamento, ter sono regular, evitar álcool e temperos artificiais, entre outras.

Procure um médico especialista

Se a dor de cabeça se mantém por um longo período, não melhora com uso de medicação ou repete-se com frequência, é hora de consultar-se com o médico.

Tratamentos preventivos específicos, para reduzir a frequência e a intensidade das crises podem ser indicados pelo médico.

Já no caso de crises de enxaqueca, o tratamento envolve, de modo geral, analgésicos ou anti-inflamatórios.

Lembrando que sempre deve ser recomendado por um médico especialista. Não faça uso da automedicação!

Dor de cabeça atinge mais as mulheres

As mulheres têm três vezes mais chances de sofrer com o problema do que os homens.

Segundo os pesquisadores do Centro de Nutrição Clínica, da Universidade de Newcastle (Reino Unido), as suspeitas são de que isso aconteça por causa dos hormônios femininos e seus efeitos sobre o cérebro.

Os estudos sugerem que as mulheres que sofrem de “enxaqueca menstrual” podem ter pior função dos vasos sanguíneos no cérebro em comparação àquelas que não têm o problema.

 

Fontes: Sociedade Brasileira de Cefaleia, Unifesp e Febrasgo – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

Tags:

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Skip to content