CARREGANDO

Digite uma Pesquisa

Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia

Compartilhar

26 de março é o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia, conhecido também como “purple day” (dia do roxo, lembrando os hematomas que as quedas causam). Com esta data, profissionais e instituições de saúde buscam desmistificar este transtorno neurológico e disseminar informações sobre ele.

O Grupo AUSTA junta-se a instituições e profissionais de todo o mundo que, neste dia, realizam ações, palestras e eventos para conscientizar a população sobre o caráter médico e estigmatizante do problema.

A epilepsia se caracteriza por crises recorrentes, de duração e intensidade variável, desde episódios de curta duração e praticamente imperceptíveis até longos períodos de agitação vigorosa.

“Crises epilépticas também podem ocorrer em condições que não a epilepsia, como no caso de acidentes vasculares encefálicos, uso de substâncias como álcool e drogas e tumores e infecções”, salienta a médica neurologista Marina Mamede, do AUSTA hospital.

A epilepsia pode ter origem genética ou mesmo indefinida e acomete cerca de 50 milhões de pessoas no mundo.

Não é infeciosa, tampouco transmissível por contato e, na maioria dos casos, permite uma vida normal ao portador, quando tratado.

Sem tratamento, no entanto, a pessoa corre riscos de quedas, traumas e acidentes automobilísticos e apresenta transtornos de memória e atenção, que prejudicam muito a vida, os relacionamentos e as atividades profissionais.

Mesmo com o tratamento, crises podem ocorrer, levando a movimentos repetitivos e perda de consciência.

Caso presencie uma crise epiléptica, proteja a cabeça da pessoa, se possível, com almofada ou travesseiro, mantendo-a deitada de lado para que não aspire secreções que porventura possa liberar.

Ela deve ficar afastada de móveis e objetos que possam machucar

Um mito comum é que, na crise, a pessoa pode enrolar ou engolir a língua, o que não é real.

A crise pode durar de 3 a 5 minutos e deve ser tratada em hospital caso se prolongue além deste tempo. O tratamento é feito por meio de medicações, as drogas antiepilépticas, muitas de baixo custo e acessíveis pelo SUS. Em alguns casos, quando não respondem ao tratamento clínico, pode haver a necessidade de tratamento cirúrgico.

 

Fontes:
Organização Mundial de Saúde. «Epilepsy». Fact Sheets. In: www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/epilepsy. Acesso em 20/03/2019.
A Epilepsia. Contextualização Histórica. Vítor António Leal Dias da Costa. Março de 2014. In: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/73035/2/29370.pdf Acesso em 19/03/2019.

Tags:

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *