CARREGANDO

Digite uma Pesquisa

AUSTA realiza palestra sobre atendimento de cefaleia

Compartilhar

O Grupo AUSTA está constantemente promovendo o aprimoramento de seus profissionais para que ofereçam o melhor atendimento à comunidade. Numa das iniciativas visando este objetivo, o AUSTA realizou, na noite de quarta-feira (27 de setembro), a palestra de atualização científica “Protocolo de Cefaleia em Unidades de Urgência”, para a qual reuniu médicos e profissionais de enfermagem do hospital.

A palestra, promovida em parceria com o laboratório farmacêutico Libbs, foi proferida pelo Dr. Fábio de Nazaré, médico neurologista, membro da Academia Brasileira de Neurologia e da Sociedade de Desordens do Movimento (Movement Disorders Society) e coordenador da Residência Médica de Neurologia e dos Ambulatórios de Transtornos do Movimento e Bloqueio Neuroquímico do Hospital de Base de Rio Preto.

Na abertura do evento, o médico cardiologista e diretor presidente do Grupo AUSTA, Dr. Mário Jabur Filho, ressaltou a importância de abordar a cefaleia (dor de cabeça) para os profissionais do hospital. “A cefaleia é uma queixa muito comum tanto nos consultórios médicos quanto nos serviços de atendimento de emergência. É fundamental que façamos o diagnóstico e tratamento de forma mais rápida e eficiente possíveis”, enfatizou Dr. Jabur.

Em sua explanação, Dr. Nazaré ressaltou ser muito importante que o médico e o profissional de enfermagem façam o diagnóstico diferencial entre as cefaleias primárias e secundária, realizando o atendimento correto para promover o alívio da dor e orientando sobre o tratamento domiciliar.

O neurologista explicou que mais de 70% dos casos estão associados a cefaleias primárias, principalmente a enxaqueca, não sendo necessário realizar exames complementares. As cefaleias secundárias, por sua vez, podem estar associadas a patologias mais graves com ruptura de aneurismas, meningite ou hidrocefalia.

“O início súbito, a presença de febre ou alterações no estado mental, extremos de idade, pessoas que fazem tratamento para câncer ou imunodeprimidas têm maiores riscos e podem necessitar tanto de avaliação especializada quanto da realização de exames complementares”, pontuou Dr. Nazaré.

Ao concluir sua palestra, o neurologista destacou ser fundamental orientar os pacientes quanto aos riscos do uso abusivo de analgésicos e a importância da alimentação, atividades físicas e sono adequados para prevenir recorrências.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *